Home Lotérica Associação dos Lotéricos de Taubaté (AELTAR) define diretoria para o biênio 2012-2014
< Voltar

Associação dos Lotéricos de Taubaté (AELTAR) define diretoria para o biênio 2012-2014

14/06/2012

Compartilhe

A Associação dos Empresários Lotéricos de Taubaté e Região – AELTAR (Vale do Paraíba, São Paulo), realizou no último dia 23, em Taubaté eleição para nova diretoria. Os associados decidiram pela permanência da atual diretoria ao reeleger os empresários José Carlos Pereira de Paiva (presidente) e Mario Rui da Câmara Nóbrega (vice-presidente). Os dois empresários também fazem parte da diretoria do Sincoesp nos cargos de vice-presidente e diretor administrativo, respectivamente.

A formação da diretoria é basicamente igual à anterior, com algumas alterações apenas no quadro do Conselho Fiscal, que conta com novos membros. A nova formação estará na gestão da AELTAR durante o biênio 2012-2014: José Carlos P. de Paiva (Taubaté), presidente; Mario Ruy da Câmara Nóbrega (São José dos Campos), vice-presidente; Olavo Consuli Carneiro (Taubaté), 1º secretário; Paulo Massao Kodama (Taubaté), 2º secretário; Cláudio Gonçalves Ferreira (Taubaté) 1º tesoureiro; Marco Antônio de Oliveira (Taubaté), 2º tesoureiro. O conselho fiscal da AELTAR será composto pelos empresários lotéricos: Edgar Fernando Ciccino de Lara (Taubaté); Ricardo Matsushita (São José dos Campos); Alexandre Porto (Tremembé) e Luiz Alberto, (São Luiz do Paraitinga), suplente.

Atuação da AELTAR

A AELTAR é um representante regional que, desde 2002, presta serviços de consultoria aos associados, esclarecimentos e também a integração entre os empresários da região do Vale do Paraíba, em São Paulo, que conta com cerca de 150 lotéricas e, envolve 39 cidades. Um dos destaques em sua atuação regional foi viabilizar a volta do convênio entre a Bandeirante Energia e a Caixa Econômica Federal, para a autenticação das contas da concessionária através das Casas Lotéricas. Essa prestação de serviços ficou interrompida por quase dois anos e, comprometeu em pelo menos 30% a receita das lotéricas das cidades atendidas pela concessionária Bandeirante.